terça-feira, 5 de agosto de 2008

À sombra do Promontório (III)

Venham folhear o livro, ler o resto da história e saber como foram (e são) as vidas das gentes da Nazaré
A praia nos dias de hoje

A praia no antigamente (foto de arquivo)
Chegando a casa a Joaquina disse aos filhos:
- Quere que vocêses saibem, que aqui adonde me tão a ver, já sei, quem foi o meninede pé calçadeque quemeu os óve com vocêses! A mãe dele deu-me o denhêre deles, mas ele, tem que le pagar do migalhêre dele, acté smanha tôde, cvande sóbér que fica de castigue e na vai brincar oite dias, e séla for fazer quêxa é Sr. Elpide, vocêses todes vão prêses, o filhe dela e tude! Pávia de vocêses rombarem-me os óves, é co filhe dela rombou o açúcre.E agora?!!! Vai tude prêse!... na quere saber.
E, era assim, que se iam passando os dias.
O Ti Manel, sempre que não ia ao mar, ia sachando o milho e o feijão, que já estavam bem bonitos e se viesse uma chuvinha, teria ali feijão e milho para todos comerem. A mulher quando ia ao rio dos moinhos, levava uma saquinha de milho que trocava por farinha; Ia cozendo umas broas e, lá iam governando a vida, sem se alargarem muito, pois não dava para brincadeiras, cinco bocas a comer sem ninguém ir ao mar.
Era assim a vida de toda a gente na Nazaré, que vivia da lida do mar, e quando o mar estava ruim, ou, mesmo manso, não pescavam nada. Se não tivessem qualquer coisa, que ajudasse a sobreviver, era muito complicado. Havia mulheres, que iam recolher lavaduras nas casas, onde deixavam um balde com tampa e, as pessoas em vez de deitarem os restos da comida para o lixo, despejavam nesse balde, que as donas do respectivo, todos os dias recolhiam e, levavam em latões à cabeça para fora da localidaded onde tinham a corte com os seus porquinhos, que iam criando, e vendendo. De vez em quando, quando havia um pouco mais de fartura, lá matavam um porquito, para terem na salgadeira, tempero para panela e, uns ossinhos para rapar, em cima das couves; e, assim iam vivendo.
O Ti Manel lá ia tratando das suas ervilhas e das suas favas, das quais tiravam algumas para comer, pois as outras, a Ti Joaquina tratava de as ir oferecer às senhoras que já eram freguesas habituais, e também das suas batatinhas novas.
-Ah! Migas, iste quem na se sóber governar e na tiver o sê celeire e uns testões na alzebeira, tá desgraçade, cande a costa tá negada... Nunca ninguém se viu vingade de quem é popáde!
E os miúdos lá foram crescendo, iam à escola, e, até eram bons alunos, pois a mãe, embora não sabendo ler, queria que os seus filhinhos não fossem como ela, que, se não fosse a esperteza que tinha, era uma infeliz por não saber ler. Qualquer papel que lhe parecia, não podia rasgar sem dar a sua vida a saber. Isso é que lhe doía; por isso, os seus meninos ou a bem ou a mal, a quarta classe, tinham que fazer!...
- O mê João já anda na quarta, o mê Zé, na tercêra e o mê Tónhe, na sigunda. Inté agora, ainda na ficarem pa trás, vames lá ver daqui pá frente. Eu digue-lhes tude cante é mau, mas graças a Deus nunca precisarem de porrada, candem andem diretinhes que nem um fuse! Eu ameáci-os co senhor Elpide e ca cadeia da Admestração do Concelhe, e eles tem mêde que se pelem, assim é que é!... Respeitinhe é munte benite. O mê homem nunca diz nada, acha que os filhes dele, são os melhores do munde.
- Ah! Jôquina, se tu visses o cos otres piquenes, da indade deles, fazem à gentes lá em baixe, cande a gentes trazemes algum pexinhe pá terra?!!! Rombem logue da rede e fogem, assobem pos candieres arriba, e com ganchetas rombem pêxe às cabazeras, são malcriades e dizem tude chei de asnêras. São diabes, aqueles piquenes da borda d'áuga.
- Olha é per essas e per ôtras, é cós nosses na vão lá pra báxe, tão aqui munte bem! Quere dar um grite per eles, e eles óvirem-me logue, queu na goste de dezer as coisas muntas vezes. E agora diz-me lá tu Manel, se achas ôtres iguais aos teus? É munte bom eles terem respeite; quem na se dá ó respeite, na é respeitade.
- Tens rezão melher! Ninguém te tira a tu rezão, tu é que sabes! Tu é que terminas, aquile que tu fazeres tá bem feite!

34 comentários:

Anita disse...

Neste dia novo que nos dás, Senhor, enche-nos de tal modo da Tua presença, que nem uma tempestade feroz possa perturbar a Tua paz em nós.

Muitos beijinhos cheio de amor.
Fica bem. Fica com Deus.
Anita (amor fraternal)

gaivota disse...

anita
linda mensagem sempre presente...
beijinhos com todo o darinho

Iana disse...

Olá amigos (as) queridos (as), é tão bom estar de volta depois de uns dias longos de férias.... Obrigada por cuidarem bem de meu jardim em flores.... vocês todos são D++++ adoro-vos, de vossa doce rosa amiga, recebam um grande beijo doce e um forte abraço cheio de saudades! É bom saber que posso sair e ficar tranquila, vocês cuidam bem de nosso jardim, ele não ficou sozinho, isso é maravilhoso!

Com carinho sempre

Iana!!!

Sinta-se beijada e acarinhada cada dia que venho cá em seu cantinho que adoro demais.... doces beijos amiga linda

Carla disse...

belo texto e belas imagens para recordar
beijos

poetaeusou . . . disse...

*
ai nazaré,
que lindo é,
,
pilipares
,
*

gaivota disse...

iana
minha amiga ainda bem que já voltaste!
o teu jardim será sempre bem tratado, principalmente por ti!
beijinhos

gaivota disse...

carla
a nazaré é linda demais
e as suas gentes também...
beijinhos

gaivota disse...

poetaeusou
ai ai ai
nazaré, nazaré, nazaré!
pilipares

Multiolhares disse...

Continuas em grande amiga,
ainda não foi hoje que fui á feira,
não esta facil levar o homem ao pé cochnho ehehe
beijokas

gaivota disse...

multiolhares
oh luna, olha o joelho............ tem que ficar bom! e a "lota" é mais aqui que aí...
jokinhas

Anita disse...

A vida é bela e as esperanças nunca devem acabar.
Assim como também não deve acabar o Amor que existe dentro de nós!

Um dia abençoado amiga.
Beijinhos.
Fica bem. Fica com Deus.
Anita (amor fraternal)

Gerlane disse...

Gosto de vir aqui, porque viajo a lugares que nem imaginava que existiam.

Um bom dia!

Beijos, querida!

Fa menor disse...

Este livro deve ser deveras interessante!... a avaliar por estes excertos.

Bjs

ondina disse...

meu amor.... essas fotos, essa praia, esse sol...
aqui esteve o dia todo a chover aos molhos e a cair uma trovoada e relâmpagos que nem sabes.
bjs

gaivota disse...

anita
e a esperança não deverá acabar!
bom fim de semana com paz em Deus
beijinhos

gaivota disse...

gerlane
vem visitar estes locais distantes e diferentes dos teus, sempre
beijinhos

gaivota disse...

fa menor
é sempre interessante, falas e vidas das gentes da praia
beijinhos

gaivota disse...

ondina
amor meu, continuamos com bom tempo, sol e praia para todos
este mar que também é teu, sempre lindooooooooooooooo
mil beijinhos cheiinhos de saudades
de todos

elvira carvalho disse...

Vim por curiosidade. Temo-nos encontrado por aí quase todos os dias em blogues de amigos comuns.
E como uma dessas amigas me falou de si com carinho e admiração, despertou o meu interesse.Gostei imenso do texto. Ainda não posso estar aqui muito tempo. Mas espero voltar em breve.
Um abraço

Flor disse...

Grande diferença!.. a Nazaré de antigamente e a Nazaré dos dias de hoje....

Já passaram dois anos desde que "inaugurei" o meu jardim....

Não tenho bolo para comemorar, apenas tenho uma imensa gratidão e muita alegria, porque foi atravês do meu canto que chegaste ao meu coração... OBRIGADO! :D

Gosto de TU muito muito :-)

Beijos floridos da Flor

gaivota disse...

elvira carvalho
sim, de facto já nos encontrámos algumas vezes nalguns cantinhos...
essa amiga comum que refere é um querida!
venha sempre, é um prazer
beijinhos

gaivota disse...

flor
bem diferente a nazaré, mesmo conservando as raízes...
parabéns pelo jardim que já floriste, e, também gosto muito de ti!
beijinhossssssssssssss

Sophiamar disse...

Excelentes posts, Gaivota. Li com muito interesse embora tivesse vindo só para te desejar um bom fim de semana. Tal como tu, passá-lo-ei a ver o mar.

Beijinhossssssssssssss

Lena disse...

Um dia vou falar o nazareno..
desde pequena sempre ouvi dizer que Nazaré era no estrangeiro..mas não sei porquê diziam isso.

Beijinhos

gaivota disse...

sophiamarolá lindona! o mar, o nosso mar está cada vez mais lindooooooooooé ir ao mergulho nesta água que tem o fundo à vista até a gentge querer...bom fim de semana e muito marbeijinhossssssssssssss

gaivota disse...

lena
este é ser estrangeiro cá dentro...
é ser estrangeiro convicto!
olha que a feira do livro é até dia 17, só mais uma semana......
beijinhosssssssssss

mundo azul disse...

Gostei de conhecer um pouco de Nazaré! Confesso que os diálogos, nem tudo entendi...

Beijos de luz e o meu carinho! Um finla de smana especial, para você...

Anita disse...

Iniciar o dia com Deus coloca todo o resto do dia numa nova perspectiva.

Bom fim de semana amiga.
Beijos.
Fica bem. Fica com Deus.
Anita (amor fraternal)

Sophiamar disse...

Gaivota linda

Continuo de férias, pouco ligada à net, mas venho desejar-te um bom fim de semana. Do meu mar e da minha serra envio-te beijinhos, mil e muitos, e um abraço amigo.

gaivota disse...

mundo azul
percebo que não tenhas entendido a "conversa", falas de gentes de mar...
beijinhos

gaivota disse...

anita
um feliz fim de semana
que Deus te ilumine sempre
beijinhos

gaivota disse...

sophiamar
querida amiga do mar e da serra, continuação de boas férias e bom fim de semana
mil beijinhossssssssss

Hermínia Nadais disse...

Tenho que vir aqui muitas vezes para conhecer melhor as gentes da Nazaré, localidade que gosto imenso.
Obrigada pelo blog tão sugestivo.

gaivota disse...

herminia nadais
é só aparecer, e vai conhecer um pouco, muito, mais ainda desta terra abençoada por Deus,cheia de gentes e de coisas lindas e únicas
beijinhos