sábado, 31 de outubro de 2009

ANTES DA NAZARÉ (7)





- O tempo passou a fugir. Já é quase meio-dia. Ainda temos que ir buscar a carroça e o animal que deve ter sede.
-Bem, madrinha. Tem mesmo que ser, mas agora já não ando tão amargurado pois sei que a madrinha está bem.
-Amanhã, se Deus quiser, vou à missa da Pederneira...
-Vai sim filho! - disse a madrinha com um sorriso. Vai sempre e pede a Deus saúde para todos nós e sorte para ti, que o que eu quero mais é que tu sejas feliz e tenhas sorte!
Adeus meus queridos, muito obrigada pela vossa visita e até sábado se Deus quiser.
-Agora fico ansiona que cheguem os sábados.
Tenho que começar a pensar muito seriamente no futuro deste menino, eu não tenho mais ninguém e sei que eles me estimam.
No domingo de manhã a mãe já tinha toda a venda apanhada nos cestos, o feijão e o grão nas sacas e as batatas numa saca de sarapilheira, tudo em ordem para carregar. Quando chegou ao quarto do filho, ele ainda dormia.
-João!... Anda filho, levanta-te, senão fica para muito tarde. Ainda tens que te lavar e fazer a barba e tu queres à missa.
-Pois é. É já... Não sei como adormeci?
Ainda temos que carregar a carroça.
Olha, o café já assentou, já tirei o leite das cabras e já o fervi. Queres que a mãe to tire, já que não gostas de nada a ferver?
-Olhe, pode ser, mãe, para a gente se despachar mais depressa.
Foi só beber o café com leite e umas filhoses que a mãe de vez em quando fazia, pois só cozia pão uma vez por semana, e o joão não estava acostumado a comer pão duro e, era um miminho que ela fazia ao seu menino. Tinha farinha, abóboras e azeite. Também tinha açúcar e canela numa latinha. Não custava nada... ele era o melhor filho do mundo! Merecia tudo. Num instante carregaram a carroça e se puseram a caminho. Chegaram à Pederneira.
Já começava a passar gente para a missa.
João tirou os cestos da carroça e a saca das batatas. A mãe tirou as sacas pequenas e o resto das coisas e o João perguntou:
-A mãe arruma a venda que eu vou guardar o animal e a carroça e vou logo direito à missa?
-Arrumo sim, filho! Vai com Deus.
Foi num instante. Ele queria entrar cedo para a igreja para escolher um lugar a seu jeito e assim aconteceu. Quando o Sr. Manuel Cipriano e a família entraram, já o João tinha escolhido o seu lugar mesmo em frente. A Laura, espertíssima, assim que o viu, olhou para a sua menina, para ver a reacção. Ninguém lhe tinha dito nada... Mas, aquela lágrima... Ela lhe ter dito que antes queria casar pobrezinha e ser feliz, do que com aquele monstro do Fonfon...
Calculou logo que eram aqueles olhos negros, aquela figura linda que ela vira na igreja no domingo passado. Viu os olhares dos dois e o sorriso maravilhoso daquele jovem que, olhou para ela, e riu-se também.
Não tinham gostos nada estragados... Nem um nem outro.
A partir daí, já nada lhe passou despercebido. Quando saíram da missa, Laura disse à patroa:
-Eu vou já para casa, tenho que ir ali.
-Está bem, mas não te demores.
-Não. Não me demoro nada.
Laura esperou que ele saísse e, seguiu-o.
Viu que ele tomava o caminho do mercado e pensou:
-Deve ser daqui perto.
Nisto sentiu de repente umas mãos a taparem-lhe os olhos. Era o Raúl, que só para a ver, tinha ido ver a saída da missa e achou muito estranho ela não seguir os patrões e, mesmo ali, ela teve que lhe explicar o que se passava.
Ela, ao desprender-se das mãos dele disse:
-Estragaste tudo. Eu vinha a seguir o tal rapaz que eu estou desconfiada que a minha menina gosta dele e ele dela, e, agora, não sei para onde ele foi...
-Então anda daí que a gente vai ver os dois, anda depressa.
-Olha! Vai ali. - quase gritou a Laura.
-Aquele? É do Casal Mota. É filho da Ti Natália. Aquela que está ali a arrumar aqueles cestos. Queres que eu lhe pergunte alguma coisa? Que lhe diga que tu és criada dela e que és de toda a confiança, se ele lhe quer mandar algum recado? Que tu desconfiaste pelos olhares deles, que se gostavam em segredo?
-Eu sei lá?
-É próprio das nossa idades!
-Como é que eles alguma vez se conseguem falar se não for assim?
-Olha, faz o que quiseres... O menos que me pode acontecer, é o meu patrão se desconfia que eu estou metida nisto... Ralhar, mas não me mata. A patroa é que tem a mania das grandezas e quer que a filha case rica.
-Olha: A riqueza dá-a Deus. Vou falar com ele!...
João!
João!
Desculpa lá eu tar a meter o nariz onde não sou chamado, mas reparei que tu na missa não tiravas os olhos da patroazinha da minha namorada, nem ela de ti. Isto, cá a rapaziada, temos de ser uns para os outros. É um segredo que fica entre nós, que eu também não quero sarilhos. Se quiseres escrever umas palavrinhas e ela leva-lhe, que elas entendem-se muito bem.
-Está bem. Mas eu não tenho papel nem sobrescrito.
-Mas eu vou ali comprar. Vem comigo Laura, para ninguém te ver aqui sozinha.
Foram num instante.
Nem se lembraram com o que haviam de escrever, mas o João tinha uma caneta de tinta permanente, que trazia sempre consigo, pois fora uma oferta da madrinha.
-Como se chama ela?
-"ANA" - Respondeu a Laura.
-Há cada coisa! - disse o João. O meu pai, chamava-se António, a minha mãe, Natália, e a minha madrinha a quem devo milhares de obrigações, chama-se Amália. A empena da minha casa precisa de ser caiada, e eu, para limpar o pincel do alcatrão de calafetar a eira, escrevi as iniciais deles nessas paredes. Precisamente:
ANA.
A minha mãe perguntou-me quem era a Ana, e eu expliquei-lhe as iniciais, até lhe disse que não conhecia Ana nenhuma. O que é o destino?!!!
Bem, seja o que Deus quiser!
Menina Ana
Primeiro que tudo peço mil perdões pelo meu atrevimento. Só hoje soube como se chama, mas, como foi na igreja que pela primeira vez nos vimos, talvez seja Deus que nos queira unir.
Nunca deixei de pensar em si. A sua gentil figura, até os meus sonhos povoa. Dê-me só um pouco de esperança e eu serei o mais feliz dos mortais.
Amo-a
João
Guardou no sobrescrito à pressa, e entregou a Laura, Só em casa se lembrou que nem tinha pago a carta ao namorado de Laura. Laura despediu-se, escondeu a missiva no bolso, disse até logo ao seu Raúl e disse-lhe:
-A gente logo fala, está bem? É que eu disse à patroa que não me demorava nada. Agora digo-lhe que às três horas tenho que estar despachada.
Quando chegou a casa disfarçou o caso, foi despir a roupa com que tinha ido à missa e foi pôr a mesa. Quando apanhou a patroa segura é que foi ao quarto da menina e lhe perguntou se ela tinha lugar para esconder um segredo muito importante.
-Que segredo importante?
-Chiu!... - disse a Laura
Eu corro perigo de vida. Os seus pais se alguma vez sonharem que eu trouxe isto, ou dão-me um tiro, ou enforcam-me.
-Mas isto, o que é?
-Tome. Leia, mas dentro de um livro que é para o fechar logo, se alguém abrir a porta.
Laura entregou-lhe a carta, que Ana abriu a tremer.
-Mas isto é de quem?
-Não sei. Adivinhe...
Ana tremia. O coração saltava-lhe no peito, mas... Como é que alguém adivinhou?
-Como é que ele te deu isto? Eu nem sequer sei como ele se chama...
-Mas ele também não sabia, e escreveu o seu nome na parede da casa dele que é no Casal Mota.
-Mas como é que tu sabes isso tudo?
-Porque os vossos olhares atraiçoaram-vos. Mas não se assuste! Que Nosso Senhor guarda os vossos sentimentos e não diz nada a ninguém. Deus é amor e protege aqueles que se amam.
Eu quando saí da missa fui atrás dele, para ver se descobria quem ele era.
O Raúl veio por trás de mim, tapou-me os olhos e eu quase o perco. Mas encontrei-o logo. O Raúl meteu conversa com ele, perguntou-lhe se ele não era filho da Ti Natália do Casal Mota, e ele disse que sim.
Apresentou-me como namorada dele e ele perguntou-me se eu não era empregada daquela família que ia à missa todos os domingos, pois via-me sempre com vocês.
-Eu disse que já os tinha visto rirem-se um para o outro, se ele quisesse mandar um recado, eu levava. Ele escreveu o que aí está, e aí tem.
Podem confiar em mim e no Raúl.
- continuará...
Os acontecimentos que me têm ocorrido ultimamente, são mais que muitos! Tudo há-de ir ao lugar, a seu tempo... O meu 'jardim' continua a ser remexido (como comentou a luísa 'pin-gente' num post sobre a minha terra, Caldas da Rainha...) e a Nazaré está sempre à minha espera com
todos os amigos e família do coração, e o tempo foge-me pelos dedos, não consigo agarrar todos os barcos e remos!!!
Brevemente vou apresentar a "minha" aldeia, onde vivo, rodeada da natureza, passarinhos, galinhas, patos, ovelhas... e gentes do campo!
Logo vou para o meu "vício", um jogo de hóquei em patins, benfica vs porto... sempre mais emotivo, como é normal e mais ainda agora, depois do último adeus ao joão banza!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

ÁGUA

O pôr do sol em fins de outubro, um dia de verão, foi assim na praia mais bonita de portugal!

Fotos tiradas ontem às 18.50h numa tarde de verão, na nossa praia, onde tudo acontece!

ÁGUA
Ainda debaixa da ponte
Correrá muita água,
Caudal e renovação,
Muitas vidas vividas,
Outras por viver agora
Correrá muita água
Sob todas as pontes
De todos os mundos
Maria Paula Raposo, 'Marcas ou Memórias do Vento'
parabéns Paula, o teu livro está excelente!
e muita água ainda vai correr debaixo da ponte............................

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Até sempre Johnny B






Destroçados os corações da tua mãe, do teu pai, do Carlos...
destroçados todos os teus colegas de todos os clubes que por lá passaram, em Odivelas, no último adeus, João, e de todos nós, teus amigos, que mais ou menos de perto lidámos contigo na tua curta caminhada desportista
Palavras foram ditas e escritas em demasia, para quê? nada te poderá trazer de volta, nem me parece nessário tudo o que até acabaram mediaticamente e 'sensacionalisticamente' escrito... mas este jornal tem destas coisas...
Bem hajas, Johnny B, como te chamavam enquanto jogador no Turquel... e R.I.P.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Eu, Gaivota...


O Bouquet da Sónia, na hora do enlace


Os sapatos da Sónia, por ali, pelo jardim, enquanto decorriam as fotosssssssss
As fotos são minhas, do casamento da Sónia e do Luciano, e como também eles, sendo da Nazaré, têm um pouco de "gaivota" dentro deles...
Eu, Gaivota...
Um dia seremos aves marinhas. Talvez gaivotas!
E escolheremos o mesmo areal para repousar.
Olharemos o mar como sendo só nosso sem que haja disputa.
Na fome, estranhamente partilharemos o pescado e as nossas asas abertas tocar-se-ão. Perceberemos que já nos conhecemos de outros tempos e a partilha deixará de parecer-nos singular.
As nossas penas reconhecerão o cheiro mútuo
A unidade na forma animal do nós.
Por momentos ganharemos consciência do tempo e do lugar.
Perguntar-nos-emos o porquê da opção.
Quem nos agradece a escolha que fizemos?
Estaremos nós gratos por a termos feito? Espalhámos a felicidade?
Foi isso que nos impusemos. Proibímo-nos, para lhes permitirmos.
Foi esse o nosso amor. E eu, gaivota, ainda hoje te amo e reconheço.
Não sei se a felicidade dos meus dependeu de mim.
Acredito que ela vem de cada um.
Sei que a minha infelicidade a mim a devo e que o tempo não voltará atrás.
Poema da Luísa Azevedo -pin-gente, de "uma explicação de ternura"
Obrigada, Luísa, por "autorizares" que use as tuas lindas palavras!
Tinha este post programado há uns dias, antes de se terem passado tantas coisas...
mais que a propósito, publico-o hoje, como Gaivota que me sinto, de asas paradas neste momento da minha vida, sem sentir as madrugadas...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

As palavras e o ódio...



As palavras são palavras.
Nuvens.
Instrumentos na mão do vento.
O vento somos nós!
Se o vento entoar a canção do amor,
As palavras serão de amor.
Se o vento entoar a canção do ódio,
As palavras serão de ódio.
As palavras de amor são visitas habituais
Na morada do meu coração.
As outras...
Não entram nele,
Nem permito que se aproximem!
Limito-me a vê-las,
Bichos rastejantes,
Na viagem do regresso!
de Eduardo Aleixo, "As palavras são de água"
Obrigada, meu amigo, o teu livro é muito bonito! E, nem por acaso, abri-o e foi este poema que li! Vem completamente ao jeito dos meus presentes sentimentos de existência... ou da falta de existir!
Obs. Acabei de saber que hoje é o dia do aniversário do Eduardo, que pontaria em humildemente o homenagear aqui com as suas próprias palavras...
Parabéns, Eduardo, um dia feliz!

sábado, 24 de outubro de 2009

Um Jovem...



FALECIMENTO - João Banza (Oeiras)
"É com tristeza e pesar que se informa o falecimento de João Banza, atleta da AD Oeiras e antigo internacional de Portugal nos escalões jovens.Uma vez mais a morte ceifa a vida a um jovem, não permitindo que continuasse a praticar a sua Modalidade de eleição, por isso o Hóquei em Patins e o desporto em geral ficam mais pobres.Foi decretado o cumprimento de um minuto de silêncio em todos os jogos de Hóquei em Patins, em honra e memória de João Banza (28 anos a 1.10.09)"


Depois de efectuadas duas provas de morte cerebral ao avançado da AD Oeiras, João Banza, sem que tenha sido registada qualquer resposta, foi declarado o óbito do hoquista, esta sexta-feira, por volta das 20h00.Segundo os procedimentos legais, será agora efectuada uma autópsia ao cadáver, uma vez que a morte resultou de uma agressão, sofrida na passada quarta-feira à noite, nas imediações da igreja de Santos-o-Velho, em Lisboa.De acordo com o Comando Metropolitano da PSP, o agressor de João Banza ainda não foi identificado.

Jovem hoquista em morte cerebral
João Banza, avançado da AD de Oeiras, foi agredido na passada quarta-feira e está em situação de morte cerebral.O hoquista, que antes de se transferir para a AD de Oeiras passou pelo Sporting e pelo Juventude de Viana, está internado na unidade de neurocirurgia do hospital de São José, em Lisboa.O estado crítico em que se encontra foi provocado por uma agressão, ocorrida na noite de 21 de Outubro, quando tentava levantar dinheiro na zona de Santos, em Lisboa. Na sequência do ataque, João Banza caiu, tendo batido com a cabeça no chão – pancada que provocou um hematoma cerebral.Depois de várias horas em coma, a morte cerebral do hoquista de 28 anos foi agora confirmada.

(extraído do jornal 'A Bola')


O João era natural de Lisboa, foi formado pelas escolas so Sporting CP, SL Benfica e HC Sintra.
Como sénior representou o HC Turquel, o Porto Santo SAD, o Sporting CP, o Juventude de Viana e esta época ingressou na equipa da AD Oeiras. Representou Portugal na nossa selecção, nas camadas jovens.


À família deixo expressos os meus sentimentos de dor e solidariedade

A ti, João, deixo um beijo e fica a saudade de não mais te ver jogar...
Fica em Paz!
O Hóquei em Patins fica mais pobre, bem como todos os que acompanharam o teu percurso, colegas e amigos que deixaste...

Será que ninguém viu nada, não se aperceberam de que um jovem estava a ser assaltado e agredido??? Será que se vai fazer justiça!?

"O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que têm medo
Muito longo para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno"

Ficarás sempre na nossa memória, com eterna saudade.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Um gentleman!




Sir Charles Spencer Chaplin, Jr. nasceu em Londres a 16 de Abril de 1889, faleceu em Corsier-sur-vevey a 25 de Dezembro de 1977
Charlie Chaplin, ou simplesmente o Charlot, o Carlitos e até o "vagabundo", andarilho pobretão com maneiras refinadas e a dignidade de um cavalheiro, usando um fraque preto esgarçado, calças e sapatos desgastados e mais largos que o seu número, um chapéu de côco ou cartola, uma bengala de bambú e a sua marca pessoal, o bigode-de-broxa.
Foi um talentoso jogador de xadrez e na 7ª arte teve o seu fulgor, que o imortaliza.
Foi actor, director, dançarino, roteirista e músico britânico.
Foi das personalidades mais criativas que atravessou a era do cinema mudo, actuou, dirigiu, escreveu, produziu e financiou os seus próprios filmes.
Chaplin é o mais homenageado cineasta de todos os tempos, tendo sido condecorado pelos governos britânicos - Cavaleiro do Império Britânico e francês - Légion d'honneur, pela Universidade de Oxford - Doutor Honoris Causa e pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos - Óscar especial pelo conjunto da obra, em 1972.
EU
Já perdoei erros quase imperdoáveis, tentei substituir pessoas insubstituíveis e esquecer pessoas inesquecíveis.
Já fiz coisas por impulso, já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar, mas, também decepcionei alguém. Já abracei para me proteger, já dei risada quando não podia, fiz amigos eternos, amei e fui amado, mas também já fui rejeitado, fui amado e não amei. Já gritei e pulei de tanta felicidade, já vivi de amor e fiz juras eternas, "quebrei a cara" muitas vezes!
Já chorei ouvindo música e vendo fotos, já liguei só para escutar uma voz, me apaixonei por um sorriso, já pensei que fosse morrer de tanta saudade e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo!) Mas vivi! E ainda vivo! Não passo pela vida... Você também não deveria passar! Viva!!! Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão, perder com classe e vencer por ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve, e a vida é MUITO para ser insignificante.
Charlie Chaplin
Fotos e texto extraídos da net e de alguns mails recebidos.
Também eu vou à luta pela dignidade da vida, e determinada com a justiça das pessoas deste País!

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

CHRISTIAN

video

É fantástico, na realidade, este mail recebi-o há uns meses, ponho-o agora, já que anda a ser divulgado pela nossa televisão.

Há uma husky, a Sani, que não me via há 2 anos, ela tem uns 6 anos, encontrámo-nos a semana passada... quando nos víamos, mesmo na rua, na Nazaré (ela é "melher da praia, corriqueirazinha e tude!) era demais! Eu tinha que largar tudo, mala, óculos e ficar livre para ela! Chega-se a mim, põe-se em pé e fica do meu tamanho, abraça-me como se fosse uma pessoa, e beija-me, eu retribuo, deita-se no chão a pedir as festas na barriga e eu faço como ela... (não me deito no chão, na rua, mas lá em casa deitava-me...) toda a gente nos conhecia, e era sempre um espanto toda esta reacção e prova de carinho/amor, eu sou a "tia" dela, ela é minha "sobrinha"! como toda a gente diz, pois o dono é meu irmão! Passados estes 2 anos, foi igual, reconheceu-me e quase chorámos as duas...

Na realidade, quanto mais conheço as pessoas, mais amo os animais!

Ao fim e ao cabo um cão desta raça, Husky, é um lobo domesticado...

há cada lobo por aí....

terça-feira, 20 de outubro de 2009

(A) braços


Os teus braços são de estrela-do-mar
e nos teus abraços falas-me a linguagem dos peixes,
ondulante ao ritmo das luas e marés.
Salgadas palavras com aroma de alga fresca.
Cantas-me ao ouvido o sussurro das ondas na boca dos búzios.
Reflectes nos teus olhos o brilho das gotas transparentes,
arco-íris de luz no orvalho da rebentação.
Os teus braços são de estrela-do-mar
e, nos teus abraços, queria dizer-te que te vou amar.
Não pedi licença à autora, mas é tão lindo... não podia deixar de o dar a ler aos amigos que entram cá em casa...
Parabéns, Luísa, o teu livro está lindo e as fotos são muito boas!
é uma explicação de ternura...

domingo, 18 de outubro de 2009

Realmente FANTÁSTICO!

video

Todos sabem que o meu coração é verde... como o era o do meu Pai, e dele tenho o emblema de 50 anos de sócio, como recordação...o resto da família ficou mais encarnado... também me podem chamar melancia!, não tem nada a ver... o que é verdade e é mesmo fantástico, é entrar na tal "Catedral", lá bem naqueles lugares dos camarotes e ver o fulgor daquele povo! e quando se ouve o velho hino "Ser Benfiquista" na voz única de Luís Piçarra... até a alma estremece! é o espectáculo que se vai desenrolar, é portugal que mexe, é sentir que no decorrer de qualquer jogo, em qualquer modalidade (cá estou eu a puxar as brasas à minha sardinha...), não há políticas, não há problemas, nem ninguém está doente!

É libertar a corda da vida e deixar desenrolar...

video

Durante o aquecimento do jogo de ontem Benfica vs Juventude de Viana, seria um jogo difícil, de resultado imprevisto, mas também é verdade que cada jogo é um jogo! e não há resultados feitos! Correu bem, vencemos 4 - 0, parabéns ao Benfica, aos seus jogadores num trabalho que se desenrola de maneira diferente às ordens de novo treinador!

Força, meus amigos, vamos a continuar assim!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Gazeta das Caldas


Navegando pelo Oeste
Hoje apresento-vos um blogue escrito por uma gaivota. Pelo menos é assim que a autora se auto-intitula ao publicar no blogue mareterra, sito em www.gaivota-mareterra.blogspot.com. Nascida em Caldas da Rainha, esta gaivota vive agora “mesmo de frente para o mar”, na Nazaré e muitas são as alusões no seu blogue à terra dos pescadores. Está portanto sempre presente o fascínio que a autora sente pelo mar e pelas gaivotas, ou “princesas do mar”, como as gosta de chamar. Aliás, algumas fotografias que a autora apresenta relativas à praia da Nazaré são tiradas do Sítio, ou seja, quase que simulando a vista que uma gaivota teria em pleno voo. Num dos seus posts mais recentes, apresenta algumas fotos do areal da praia e desafia os leitores a visitarem a Nazaré: “Apenas o rei astro, o nosso sol, anda um pouco fugidio... o mar continua calmo e baixo, as marés vazam mais ainda e a água está mais transparente que nunca!
Um mimo para quem gosta mesmo de praia!
Fica o convite, apareçam na nossa praia, que é de gente boa e que sabe receber, onde temos boa restauração e diversão programada para todas as noites em diversos locais e onde a nossa música dos nossos artistas nazarenos irão proporcionar belos espectáculos, assim como o rancho folclórico Tá-Mar da Nazaré!
E mais não digo, seria apenas mais repetitiva... há de tudo um pouco, e se forem para norte, lá para os lados da "fontinha"... bebam dessa água que escorre pelas rochas, vem purificada naturalmente e, depois, não mais deixarão de vir à Nazaré!”
A autora também gosta no entanto de falar de outros voos seus, entenda-se, as várias viagens que faz, quer dentro, quer fora do país e sempre ilustradas com bastantes fotos, como se um álbum de recordações se tratasse. Até porque mareterra é um blogue pessoal, onde a autora partilha um pouco dela com o mundo. E como espaço pessoal que é, muitos são os posts alusivos à família da autora, ainda que longe geograficamente, mas bem perto do seu coração, e da qual fala com imenso carinho e saudade, como se pode ler neste post de Novembro de 2008: “… e entre tachos e fogão e forno, garrafas e copos, amigos, família e convivências, resta-me ainda um bocadinho de tempo que ocupo a ouvir (porque ver... só algumas coisas) a televisão, e fazer outras "habilidades", entre doces próprios destas épocas, de maçã, pêra, tomate, abóbora, a velha marmelada à moda da minha mãe, que distribuo por tigelas e frascos e também ofereço aos amigos, fiz estas gracinhas para as minhas deliciosas princesinhas, e já não as largam, saias aos remendinhos e uma camisola para a minha Maria, que tão docemente ma pediu ao telefone "Vó fazes-me uma camisola?, roxa...".
De notar que a autora está sempre atenta aos comentários que os leitores fazem aos seus textos e fotos, gerando muitas vezes, conversas extremamente interessantes e dignas de serem igualmente acompanhadas. Acompanhe assim o voo desta gaivota e não se esqueça de visitar este blogue.

Joana Leite Silva



A Gazeta das Caldas é um semanária de Caldas da Raínha, minha cidade natal, como já tantas vezes referi, elogiando o lindo parque D. Carlos I, o edifício com fachada de azulejos de Bordalo Pinheiro, onde nasci, a praça da fruta e tantas recordações do "antigamente" dos meus tempos de miúda... quando passava os dias na rua com os meus irmãos a brincar e a correr pela praça, jogar tudo o que na altura era possível... Já lá vão uns aninhos!!! uns dias, convenhamos informar! Assino este semanário há uns quantos anos, que já nem me lembro, pois assim mantenho-me a par das notícias da "terra" mesmo quando não passo por lá.
Encontrei este texto... assinado pela Joana Leite Silva, que não conheço, nem ela a mim, seguramente, e como sou de espírito aberto, como já devem reparado e só falo naquilo que na realidade É, sem contar "histórias" no que se refere aos textos que são meus, senti-me elogiada e venho assim agradecer a "apresentação do meu gaivota-mareterra" nas linhas que me dedicam deixadas no jornal, lido por muitos caldenses, dentro e fora do País!

Fico sem palavras, gosto da minha terra e sou o que sou, quem sou, sem máscaras, nem hipocrisias, presentemente confontro-me com problemas gravíssimos e irei cada vez menos à "terra", por isso falo muito mais da Nazaré, onde tenho um apartamento, das minhas gaivotas, as minhas princesas do mar, do mar imensoooooooooooo e do areal que ele beija... das gentes que me adoptaram no coração e que são a minha família de amor! irmãos, filhos, sobrinhos, netos, tios, lá estão sempre à minha espera, e quando tenho que vir embora, a saudade já fica instalada na espera do "amanhã" em que regresse... O sangue que nos corre nas veias não define essa palavra "família", porque há pequenas coisas mais importantes que esse "sangue".
Mas, e para que não fique assim tão generalizada ou diferenciada a minha "família", é claro que o meu sangue é comum a mais alguéns... àparte das minhas filhas e netos, sempre há quem esteja bem!

Obrigada a todos pela vossa presença e visitas aqui ao meu cantinho e bem-hajam!

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

SILÊNCIO

video

LINDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

sem palavras, neste momento demasiado delicado da minha vida, é neste som de silêncio que me "descanso"...

e como até sou mãe e avó de "música"... fico-me a tremelicar!

As minhas filhas estudaram na Academia de Música de Santa Cecília, educação musical e instrumentos fizeram parte do seu crescimento desde a infantil... cada audição. era uma comoção aqui na "alma"... agora já lá tenho os dois rapazes, o Martim no 2º ano (7 anos) e o Salvador na infantil (quase 3 anos), é claro que tudo que seja música tem que mexer cá dentro... e "vejo" ou "revejo" os solos das minhas filhotas... em flauta, violino, clarinete...

Claro que não sou só "babada" pelos meus netos todos, os cinco!, mas também pelas minhas filhas!

isto de ser mãe...................tem muito que se lhe diga! (à moda da praia...)

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Contra a gripe A...

"Sempre deve saber melhor que o tal Tamiflu..."

Se apenas limpando as mãos com álcool se elimina o risco do virus da gripe A, ingerindo bebidas alcoólicas, então, ele nem chega perto!!!

Todos ao Bar fazer profilaxia!

(Faz sentido... lolololol)

Depois de um domingo de eleições e resultados, porque não, um sorriso???

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Versão portuguesa...


Sendo assim, tenham um bom fim de semana!!! e não meditem muito, ponham lá a cruzinha no quadradinho que mais jeito der!!!
Já sabem que o meu pc gripou!, agora está "hospitalizado" e só quando é possível venho cá espreitar alguns amigos, pois não consigo esticar a oportunidade ou disponibilidade deste aqui do meu "vizinho"... (lololololol) e passar por todos os cantinhos...
Recebi este mail (o meu irmão é destas coisas) e como é fim de semana, e com sol e calor e bom tempo!, achei oportuno deixar esta meditação em "duplicado" nesse WE CAN (of course) e no WEEKEND (of course, também!)
Divirtam-se e vão à praia, só para quem ainda não conhece... a Nazaré ontem à tarde estava excelente! com banhistas e tudiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii... e anteontem chovia tantoooooooo
aiaiaiaiaiaiaiai, é desta é que imigro (cá dentro)de vez, lá para o meu cantinho... é mais pequenino que este, mas é lindooooooooooooooo! e tem um areal enorme cheio de gaivotas e um mar a perder de vista, que parece um lago, nem mexe!
e nem teria dúvidas sobre a tal cruzinha de domingo!
Bom fim de semana e beijinhos a todos os amigos

terça-feira, 6 de outubro de 2009

SÓNIA E LUCIANO, da cerimónia ao copo de água





Enquanto prometem os votos de casamento, e trocam as alianças, com a felicidade estampada no rosto dos nossos noivos, todos assistimos à cerimónia com mais ou menos emoção...
aquele brilhozinho que teima em aparecer, ao mesmo tempo que recuo anos de convivência, companheirismo, petiscos, amizade profunda, confidências, tanto e tanto, Sónia!
A chegada ao banquete, após o buffet feito, muito bem apresentado e agradável, no jardim dum espaço lindíssimo do nosso oeste, a entrada dos noivos no salão do chamado "copo de água"
Que sejam sempre muito felizes, e já sabem... o meu (nosso) cantinho continua lá e tu, Sónia, serás sempre a mulher do churrasco!
A animação musical teve a cargo do Victor Maurício, também ele nazareno de gema e uma das nossas lindas vozes, que além de convidado também nos animou e todos cantámos e dançámos!
até eu... lololololol, uma valsa e tudo! com uma grande amiga... à moda da praia!
Hei-de mostrar mais umas coisinhas, quando se proporcionar!



segunda-feira, 5 de outubro de 2009

SÓNIA - jantar de despedida

E o nosso Paulinho a decantar um belo vinho, para bem ele sabe quem!
A Sónia e a nossa Fatinha, a tia da noiva, no jantar de despedida de solteira
A nossa noiva bebericando um "lambrusco" trinto, fresquinho, para ir aquecendo a alma...
O jantar de despedida de solteira da Soninha, uma das minhas filhotas mais especiais, aqui da praia... filha do mar, criada na areia dentro das conchinhas e brincava com os peixinhos! Cresceu, andou, andou, licenciou-se no Porto e tem a mania que é portista, esta "dragoa".... (é só para me irritar!)
É claro, e refilona como é, logo mandou o recado: "Sãozinha, és indispensável, nem te atrevas a faltar!!!" Sim, meu amor, cá estarei...
Foi no Slavo, já sabem, faz parte das últimas novidades "praieiras" e o Paulinho zangou-se comigo!!! Ainda não o tinha cá posto, em pessoa, porque já tinha falado dele...
Ocorreu no dia 26 de Setembro, mas como já vos contei, aqui o "bicharoco" anda meio gripado e tenho que me ir socorrendo de outros pc's que por ventura estejam disponíveis para estas brincadeiras... O casamento já foi, lindo demais! mesmo à moda da praia, basta dizer que o noivo é que chegou atrazado... 30 minutos!, numa capelinha da Lourinhã, no passado dia 3, e o copo de água na "A Coutada", na Atouguia da Baleia, é turismo rural, foi excelente e a zona dispensa mais quaisquer elogios...
Logo que possível mostrarei umas coisitas...

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

OFF

Meus amigos, desejo a todos um excelente fim de semana, com este bom tempo que ainda nos acolhe, aproveitem, vão à praia, apareçam pela minha praia, deliciem-se com aquele mar e as gaivotas que o preenchem! e vão lá conhecer o Slavo e as suas gulodices!
Eu estou de casamento... por outras bandas...
Mas como estou sem computador, deve ter gripe, ou então serão saudades dos Açores, lá do Pocinho Bay... e outras coisas....por isso também não vou tanto visitar-vos!
Beijinhos a todos, portem-se bem.................