segunda-feira, 5 de novembro de 2007


SUL
Quando o sol se põe lá ao sul, nos longos dias de verão, perto do porto de abrigo, que recolhe tantos segredos, acontece ser assim!
É inebriante e sonhadora a visão que nos desperta ao depararmo-nos com tal benção dos céus!
Vejo um barquinho de vela, na bruma do horizonte, chega o Domingos da pesca, chega a Celeste da fonte (Vira do Bote)
Que paz se retém neste espaço só lá possível!

6 comentários:

Maçã com Canela disse...

Ai meu mar...
Meu azul...

Adoro gaivotas!

Aromas..

poetaeusou . . . disse...

*
lá vai o bote.
lá vai o bote
no mar alem
no mar alem
saudades minhas
leva-as tambem
*
conchinhas
*

gaivota disse...

maçã com canela,
aparece, que o mar continua azul e à espera de quem o ama
xi de pililipares

gaivota disse...

oi poetaeusou
ó ondas deste mar bravo (?) feitas de espuma a saltar...
toma aí a N. Snra. dos Aflitos cheia de conchinhas, que ontem apanhei do mar...

samaria disse...

que inveja desse sul......... e eu aqui tão anorteada.......

gaivota disse...

samaria
ah pariga tás anorte?, vira pa sul, mexe-te dá corda aos pés...
eu espero, no fundo da rua, pensava era em ti...(xutos e pontapés)
kero-te tanto...
beijos