segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

R:I.P.

Morreu Luíz Pacheco, eles dizem...
Ouvi ontem à noite...
Há 40 anos, vivia ele em Caldas, com a sua companheira, uma menina....
Tive e tenho o prazer de ter o livro, uma das sua obras, autografado por ele, para mim,
o escritor maldito!
porque sim!
Recordo as tardes no "Central", os passeios pela rua das montras, na praça...
até eu era uma miúda!
R.I.P. Luíz e toma um beijo meu!

28 comentários:

RASTINOV disse...

Conhecido por se "um escritor maldito", foi "apenas" um dos maiores escritores portuigueses e irreverente!
Chega ler "o libertino passeando por Braga" (entre outos), para se reconhecer estar na presença de um grande escritor. Não se diga paz à sua alma, porque ele de certeza que não ia gostar! dizer sim "Guerra à sua alma", pois guerras foi coisa que ele nunca teve medo como homem e como escritor!

gaivota disse...

rastinov
é verdade, mas o rip foi o que "saiu"
vou brindar a este guerreiro literário!
destemido e todo ele!

Rosa Maria disse...

Os anos não se compadecem e vão levando as pessoas que amamos e as pessoas que admiramos.

O Luiz era um irreverente admirável!

Beijinhos

Maria Luar disse...

A lua quis inundar
a noite de prata feita
E encontrou no teu olhar
Laivos de paixão liquefeita

Os búzios sonantes de amor
Aos teus ouvidos cantavam
És feliz, minha flor
E os seus beijos soavam

*
abracinho

*

viveu à sua maneira

su disse...

O libertino, audaz e destemido...
Dele:
«Quando a dor no peito me oprime, corre o ombro, o braço esquerdo, surge nas costas, tumifica a carótida e dá-lhe um calor que não gosto; quando a respiração se acelera em busca de uma lufada que a renasça, o medo da morte da morte afinal se escancara (medo-mor, tamanha injustiça, torpeza infinita), aperto a mão da Irene, a sua mão débil e branca. Quero acordá-la. E digo: «Não me deixes morrer, não deixes...». Penso para comigo, repito para me convencer: «Esta pequena mão, âncora de carne em vida, estas amarras suas veias artérias palpitantes, este peso dum corpo e este calor, não me deixarão partir ainda...» E aperto-lhe a mão com força, e acabo às vezes por adormecer assim, quase confiante, agarrado à sua vida. Ah, são as mulheres que nos prendem à terra, a velha terra-mãe, eu sei, eu sei! São aquelas que nos salvam do silêncio implacável, do esquecimento definitivo, elas que nos transportam ao futuro, à imortalidade na espécie (nem teremos outra) pelo fruto bendito do seu ventre (eu sei, eu sei...).»

Boa e merecida homenagem.

Um beijo grande aqui da Teia.

gaivota disse...

rosa maria
faz parte da vida, é claro, é o que todos temos de mais certo,
foi um homem muito suis generis, viveu o que quiz, ou como quiz, irreverente
beijinhos

gaivota disse...

maria luar
viveu à sua maneira...
beijinho

gaivota disse...

su
a irene, a irene
exactamente, tal como dizes!
um beijo

Liz disse...

Passei por você de novo...sempre que entro procuro pessoas, ou blog que eu ja tenho uma certa frequencia sabe, bem...voltei, e li, um pouco mais de teu blog, ou seria de vc?

PoesiaMGD disse...

Os bons também partem... pena!
Um abraço

gaivota disse...

liz
aparece sempre, és bem vinda! isto é uma "brincadeira" com cara de "desabafos" e vai-se passando comentando coisas sérias e com muita verdade e honestidade!
beijinho

gaivota disse...

poesiamgd
pois é,
é a certeza da vida, já que
"a vida, é um espaço que a morte nos concede", como diz um amigo meu...
beijinho

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá minha querida, ninguém fica cá.
Mesmo aqueles que mereciam viver para sempre.
Muitos beijinhos amiga.
Fernandinha

Maria Clarinda disse...

Pois mas a sua obra ficou....que o eterniza!

Gerlane disse...

Eu não conheço suas obras, mas tenho certeza de uma coisa: ele tornou-se imortal, através delas.
Muito grata pelas visitas sempre gentis ao meu blog!

Um abraço!

multiolhares disse...

Existem seres que perecem
Mas jamais ficam no esquecimento

Beijinhos
luna

gaivota disse...

fernanda & poemas
ninguém cá fica, é verdade, uns vão à frente dos outros...
beijinhos minha querida

gaivota disse...

maria clarinda
pois é, as obras dele ficam, depois de muitya luta...
beijinhos

gaivota disse...

gerlane
era mesmo um escritor maldito,irreverente, conhecido como tal, ficaram as suas obras
beijinhos

gaivota disse...

luna
é isso mesmo, há os que permanecem pelas mais diversas razões!
um beijo

Fa menor disse...

Não somos de cá, minha querida!

Bjs

Fa-

poetaeusou . . . disse...

*
"Eh pá, queres ganhar uma croa? (eu tinha só três) sim, senhora! atão, entrega esta castanha àquela menina que vai ali, de casaco preto e saia branca. Mas de modo que ninguém veja...". O puto desata numa corrida e eu atravesso logo para o outro passeio, como o bombista que se afasta dos estilhaços que ele próprio provocou.
,
in-luiz pacheco
,
conchinhas
*

O Profeta disse...

Há pessoas que nunca morrem, só se afastam um bocadinho...


Doce beijo

gaivota disse...

poetaeusou
... de repente andei uma teca de anos para tráz, e,
quase me parecia ouvi-lo, a ele...
um beijo

gaivota disse...

o profeta,
é isso mesmo, apenas se afastam...
beijinho

Maria Luar disse...

Morreu
partiu
embarcou
mas o sonho não deixou

abraço

gaivota disse...

maria luar
apenas partiu, como um dia todos o faremos
deixou uma obra literária interessante, para gente especial, "irreverente", "maldita", como ele
beijinhos

Um Momento disse...

E sim...
Paz á sua alma...

Beijo... em ti

(*)